quarta-feira, 17 de novembro de 2010

BIOGRAFIA : LED ZEPPELIN

Em meados do ano de 1968 o rock passava por um período de mudanças fundamentais... o descompromisso do início dos anos 60 passava a dar espaço a músicas e letras mais elaboradas, representados entre outros pela banda Yardbirds, de Eric Clapton e Jeff Beck. Nesta época James Patrick Page era um guitarrista de sessão que já havia gravado com os Rolling Stones, The Who, Pretty Things, entre outros e foi chamado para substituir Eric Clapton quando este abandonou o Yardbirds (Eric Clapton viria mais tarde a formar o Cream). Foi a primeira vez que Page participou de uma banda de renome... mas o que viria depois iria ser muito mais importante...



A história do LED ZEPPELIN iniciou-se em 1968, com a definitiva dissolução do grupo Yardbirds. O guitarrista Jimmy Page  havia "herdado" os direitos e os deveres dos Yardbirds. Na relação dos deveres, haviam alguns shows pendentes na  Dinamarca e em Londes. Não restando muitas alternativas, Jimmy iniciou o recrutamento de músicos para integrar sua nova  banda. Para os vocais, acertou com Terry Reid, que na época fazia sucesso na Inglaterra.  Para a bateria, Jimmy B.  J.  Wilson, mas este havia sido recém contratado pelo grupo Procol Harum. Para o contra-baixo, foi mais fácil. John Paul  Jones, um renomado produtor/arranjador/músico de estúdio, e antigo conhecido de Page, ofereceu-se para o posto, sendo  tranquilamente aceito.  Quando a banda estava quase completa, Page recebe um telefonema de Terry Reid, informando de  sua desistência em participar do grupo. Como consolo, Terry indica um jovem cantor da cidade de Birminghan, chamado  Robert Plant. Ao assistir uma apresentação, Jimmy não pôde crer como Plant ainda não fazia sucesso. Conheceram-se e,  pouco tempo depois, haviam identificado várias afinidades musicais em comum. Page não hesitou em convidá-lo, e Robert,  por sua vez, não hesitou em aceitar.

Quando Jimmy comentou que apenas faltava o baterista para completar a banda, Robert imediatamente indicou um velho  conhecido, com quem já havia trabalhado em duas oportunidades. Seu nome: John Bonham. Quando Page viu Bonham em  ação, não teve dúvidas, havia encontrado o baterista. E assim, a banda estava completa, inclusive com a contratação do  empresário, Peter Grant, que já havia trabalhado com Page alguns anos antes.
  Imediatamente os quatro começaram a ensaiar, visando aqueles shows pendentes na Dinamarca, e mais alguns em Londres.   O grupo foi batizado de New Yardbirds. O repertório foi formado com músicas dos Yardbirds, Beatles, Chuck Berry, etc,  além de algumas composições prórprias. Ao cumprirem as pendências, concluíram que o nome deveria ser alterado. Algumas  sugestões: "The Mad Dogs" e "The Whoopie Cushion".



Por sorte, durante um ensaio, receberam a ilustre visita de Keith Moon,  baterista do The Who. Ao ouvir o som da banda, Keith comentou: "O som de vocês é pesado, mas ao mesmo tempo vôa,  como um (lead zeppelin) zepelim de chumbo". Pronto, o nome havia sido dado. Por sugestão de Peter Grant, a letra "a" foi  retirada, ficando definitivamente: LED ZEPPELIN.
  Com o novo nome, fazem a estréia na Universidade de Surrey, em 15 de outubro de 1968. Com muito empenho e dedicação, o  repertório próprio havia crescido consideravelmente, e o entrosamento dos músicos era fantástico, parecendo existir uma  "alquimia" entre eles. Entraram no "Olympic Studios" e apenas 30 horas após, já haviam gravado material suficiente para um  álbum. Mas na Inglaterra ninguém queria saber do grupo. Percebendo isso, Peter Grant partiu para os EUA, tentando  encontrar melhores perspectivas. Foi quando a sorte mostrou sua cara. Ao chegar na "Atlantic Records", Peter conheceu a  cantora Dusty Springfield, na época a estrela da gravadora. Ao comentar que o novo grupo era formado por Jimmy Page e  John Paul Jones, Dusty, que anos antes havia trabalhado com ambos quando eram músicos de estúdio, imediatamente  recomendou a contratação do grupo aos executivos, dando seu aval e testemunhando acerca do grande talento que  possuíam.
  Em janeiro de 1969, o álbum "Led Zeppelin" foi lançado nos EUA. Muito bem recebido pelo público (pela crítica nem tanto),o  disco surpreendeu pela qualidade dos músicos e pelas inovações musicais. Não parecia uma banda formada há apenas poucos meses.   Devido ao sucesso do LP, o grupo realiza uma turnê pelo país, juntamente com as bandas Vanilla Fudge e Iron Butterfly.   Em pouco tempo, as apresentações do LED começaram a ofuscar às dos outros grupos.
  Durante as viagens, o grupo compõe material suficiente para outro álbum. E, no final de 1969, é lançado "Led Zeppelin II". Se  o primeiro LP havia inovações, neste então, nem se fala. O disco é extremamente pesado, causando uma verdadeira  revolução sonora no mundo do rock'n'roll. O rock nunca mais seria o mesmo. As vendas estouram, e o grupo já começa a  adquirir status de "rockstar". Pela primeira vez, uma música dos Beatles é desbancada do primeiro lugar; "Let It Be" não  suportou o peso de "Whole Lotta Love". 



Desta vez sem companhias, realizam uma turnê costa-a-costa pelos EUA, quebrando  recordes por onde se apresentavam. Nesta época iniciou a eterna antipatia do LED com a imprensa e vice-versa. Não  importava o quanto eles fossem brilhantes, ou quantos recordes eles quebrariam, que a imprensa simplesmente os ignorava.   Interessante é que o grupo jamais contratou um divulgador. Sem o apoio da mídia e sem divulgação, conclui-se que o  mega- sucesso alcançado pelo ZEPPELIN foi conquistado praticamente de boca-a-boca. Outro detalhe é que todos os discos  da banda tiveram produção assinada por Jimmy Page. Esse fato, aparentemente sem importância, demonstra um pouco a  diferença do LED para os demais grupos, pois é sabido que o produtor é quem comanda um disco e, talvez o LED seja o único  grupo que gravou realmente o que quiz, como quiz e aonde quiz, sem interferências externas.
  Neste contexto de independência e completamente avessos aos modismos, lançam em 1970, o álbum "Led Zeppelin III". Quando  todos esperavam toneladas de decibéis, eis que lançam um trabalho 50% acústico. É claro que haviam as músicas pesadas,  mas um lado inteiro só com "violões" foi uma demosntração de independência e ousadia. As vendas foram muito boas,  entretanto, não atingiram os níveis dos trabalhos anteriores. Mais uma turnê costa-a-costa, shows pela Europa e uma  excurssão pelo Japão, onde a canção "Immigrant Song" era uma verdadeira "mania". Quando estiveram tocando na cidade  de Hiroshima, doaram todo valor arrecadado, em prol das vítimas da bomba atômica.
  Em 1971, lançam o quarto álbum. Para desespero dos executivos da "Atlantic", o LP é lançado sem qualquer referência da  banda. Apenas um encarte contendo a letra de uma música (Stairway to Heaven) e quatro símbolos baseados nas Runas. E,  de fato, as vendas do disco começaram mornas. Mas quando as pessoas perceberam que aquele disco do "velhinho" era do  LED, e ainda por cima tinha "Black Dog", "Rock and Roll" e "Stairway to Heaven", as vendas estouraram novamente.   Trata- se de um dos melhores discos de rock jamais produzidos. É o equlíbrio e a síntese entre o leve e pesado, o elétrico e o  acústico. Imediatamente "Stairway to Heaven" tornou-se um mega hit, o hino dos anos 70. "Black Dog" é copiada até os dias  atuais. Esse disco demonstrou o talento singular e espírito invador dos quatro músicos, de maneira definitiva. Ninguém mais  duvidava que o LED era a maior banda derock em atividade. No resto do ano e começo de 1972 viajam realizando  inúmeros shows. O restante de1972, praticamente tiram férias.



  Em 1973, é lançado o álbum "Houses of the Holy". O disco alcança platina em poucos dias. Esse trabalho aumentou ainda  mais o público da banda, pois quem gostava do LED, não gostou muito do disco, mas quem não gostava muito do LED,  gostou do disco. Esse álbum trouxe algumas novidades: deram um título ao disco e publicaram as letras de todas as músicas.   Trabalho rechedo de novas influências, tais como: soul music, reggae, rock-progressivo e música erudita, provou toda  competência e maturidade dos músicos. Neste ponto da carreira, o LED virou "mania"; eles inauguraram a era do "mega": megas-espetáculos, megas-turnês, aviões, orgias, milhões de dólares, hotéis detonados, etc
  Somente em 1975 seria lançado o próximo álbum. Chamado "Physical Graffiti", em formato de disco-duplo e lançado pela  "Swan-Song", gravadora própria do grupo, este foi mais um mega-sucesso produzido pelo LED. Uma das raras unanimidades,  foi muito bem aceito tanto pela crítica, quanto pelo público. De fato, trata-se de um excelente trabalho, muito eclético com  caprichada produção, cujo ponto alto é a música "Kashmir"; este disco contém algumas "sobras" de trabalhos anteriores.   Novamente realizam gigante turnê costa-a-costa pelos EUA e Europa. No final do ano, Plant e sua família sofrem grave  acidente automobilístico na Grécia, obrigando o grupo a cancelar alguns compromissos. Robert fica preso à uma  cadeira- de- rodas durante alguns meses. No início de 1976, com Plant ainda na cadeira-de-rodas, dirigem-se à Alemanha e  iniciam a gravação do próximo LP. Gravado em apenas 18 dias, e lançado alguns meses após, "Presence" resume o momento  baixo-astral que estavam vivendo. É o trabalho menos inspirado da banda, entretanto, com ótimos momentos, como  "Achilles Last  Stand". Ironicamente, em termos de técnica, "Presence" é um dos melhores trabalhos de Page como guitarrista,  onde toca de maneira mais "limpa", sem sua tradicional pegada blues. Apesar dos pesares, "Presence" ganha disco de platina  antes mesmo do lançamento, tornando-se um grande sucesso comercial.



  Como a recuperação de Plant estava um pouco lenta, eles decidem não sair em turnê naquele momento. Para preencher o  vazio, é lançado o filme e respectiva trilha sonora "The Song Remains the Same" , obtendo muito sucesso. Na verdade,  trata- se de alguns shows realizados em 1973, no "Madson Square Garden", adicionado com alguns clips. No Brasil foi lançado  com o título "Rock é Rock Mesmo" e igualmente fez bastante sucesso. Mesmo não sendo das melhores apresentações do grupo,  existem momentos marcantes, como em "Dazed and Confused", "The Song Remains the Same", "The Rain Song", etc.   Estranhamente, a música "Celebration Day" consta no disco, mas não consta no filme; enquanto que "Black Dog (versão  reduzida)", "Since I'Ve Been Loving You" e "Heartbreaker" estão no filme, mas não estão no disco. Além disso, no filme, o solo  de Page em "No Quarter" foi cortado, assim como pequenos trechos de "Dazed and Confused".
  Com Robert Plant plenamente em forma, em 1977, iniciam a maior turnê da carreira, inclusive com a utilização de raio laser e  outros efeitos especiais. Estava tudo indo muito bem, quando uma verdadeira tragédia pairou sobre o grupo: Karac Plant,  filho de Robert, faleceu, vítima de uma virose não detectada. Obviamente as datas posteriores foram canceladas, e o mundo  só voltaria a ouvir notícias do LED ZEPPELIN em dezembro de 1978, quando se reúnem em Estocolmo, para trabalhar no  material do próximo disco. Foi anunciado que em maio de 1979, o ZEPPELIN faria uma apresentação no festival de  "Knebworth", quase dois anós após a última aparição em público. Quinze dias antes da apresentação, já haviam pessoas  acampadas, para garantir um bom lugar. De fato, foi um sucesso estrondoso, onde qualquer dúvida acerca da imensa  popularidade da banda foi desfeita.
  No mês de agosto, é lançado o nono disco, chamado "In Through the Out Door" e, no final do mês, todos os nove álbuns  figuravam na Billboard. Trata-se de um LP muito eclético, com pitadas de música latina e overdose de John Paul Jones. Há o  grande sucesso "All My Love", canção que Plant escreveu em homenagem a seu filho.
  No início de 1980, iniciam turnê européia, já se preparando para mais uma gigantesca excursão pela América do Norte, que  começaria em outubro. Após breve descanso durante o mês de agosto, em setembro iniciaram-se os ensaios para a turnê  norte-americana. Mas, no dia 25 de setembro de 1980, outra tragédia recai sobre o grupo: o baterista John Bonham é  encontrado morto, na cama em que dormia, na mansão de Jimmy Page, tendo sido sufocado pelo próprio vômito, após  excessivo consumo de vodka. E o mundo se priva do incomparável talento de John Bonham.
  Em 04 de dezembro de 1980, o grupo publicou nota oficial, comunicando o fim da maior banda do planeta. 

Em 13 de Julho de 1985, o Led Zeppelin reuniu-se para o concerto Live Aid, com Tony Thompson e Phil Collins na bateria. Um ano depois Page, Plant e Jones voltam a reunir-se com Tony Thompson, com o intuito de voltarem a tocar como Led Zeppelin, mas um grave acidente de carro envolvendo Thompson, pôs fim a esta intenção. Eles voltaram a se reunir 1988, com Jason Bonham no lugar que foi de seu pai, para o 40º aniversário da Atlantic Records. Esta formação ainda voltou a tocar no 21º aniversário da filha de Bonham, Cármen, e no casamento de Jason.
Page e Plant, sem Jones, voltaram a reunir-se em 1994 para contribuir para a série "Unplugged", da MTV, intitulado "No Quarter". Jones não gostou de não ter sido chamado para essa gravação, especialmente porque o título do álbum, "No Quarter", vem de uma música de mesmo nome, que contém muito de seu trabalho. O estresse entre ele e Page e Plant foi ainda mais agravado quando, em uma entrevista coletiva Plant disse que ele estava "estacionando o carro"
Em 1997 foi lançado o primeiro álbum do Led Zeppelin em 15 anos, BBC Sessions. Esse álbum duplo incluía a quase totalidade das gravações que a banda tinha feito para a BBC, embora alguns fãs tenham notado a falta de uma sessão de 1969 que incluía a música nunca editada "Sugar Mama". A essa altura, a "Atlantic" editou um single de "Whole Lotta Love", que se tornou o único single da banda.
Em 2003 foi lançado o álbum How the West Was Won e o DVD Led Zeppelin. No fim do ano o DVD tinha vendido mais de 520 000 cópias.
Em 2006 a banda recebeu o Prêmio Polar de Música, um dos mais prestigiosos do mundo, como melhor banda de rock de todos os tempos.
No dia 10 de setembro de 2007, Jimmy Page, Robert Plant e John Paul Jones se reuniram em Londres e anunciaram seu retorno aos palcos em uma única apresentação para vinte mil pessoas em um show em homenagem a Ahmet Ertegun, fundador da Atlantic Records, morto em 2006 a renda da apresentação será destinada a uma instituição que concede bolsas. Eles anunciaram ainda que, no dia 13 de novembro de 2007, seria lançado um novo CD intitulado Mothership, uma coletânea de canções escolhidas pela própria banda e com nova remasterização, para substituir as coletâneas Early Days e Latter Days lançadas anteriormente e que não foram consideradas com o "padrão de qualidade" do Led Zeppelin. O concerto foi realizado em 10 de dezembro de 2007, em Londres, e contou com a presença de Jason Bonham na bateria.