domingo, 21 de novembro de 2010

Resenha-Smashing Pumpkins (Festival Planeta Terra)


O ano de 2010 está sendo perfeito para os amantes de boa musica, tivemos a vinda pela primeira vez de Rage Against the Machine, depois de 15 anos, a vinda de Bon Jovi, quase 10 anos a de Guns n'Roses, show do Metallica, enfim, bandas de peso e respeito.
Nesse dia 20/11, prestigiamos a mais uma banda que há muito não comparecia no Brasil, Smashin Pumpkins se apresenta no Festival Planeta Terra, e, nós do Hard n'Rock acompanhamos o show, com muitas lembranças na cabeça, dos anos 90 onde eu, Alan, quem escrevo esse post, ouvia as musicas de Mellon Collie and the Infinite Sadness.
Pontualmente a 1:30 sobe ao palco Billy Corgan e sua turma os Smashing Pumpkins, o headliner do festival.
Uma das bandas mais bem sucedidas dos anos 90, após muitos anos apresenta-se novamente no Brasil, com um visual “reformado” visto que eles passaram por várias trocas de membros nos ultimos anos.
Iniciando com as músicas The Fellowship e Lonely is the Name, eles começam uma das noites mais marcantes para as milhares de pessoas que compareceram no Playcenter para o Festival Planeta Terra 2010.
Aos primeiros acorde de Today, ouve-se gritos da platéia, que segue a banda durante toda a música que é um dos classicos dos Abóboras.
Ao final, incia-se uma bateria mais rápida, e então...começa a ser tocada, o que agita a platéia do Playcenter, e mostra uma grande bandeira escrita “Billy Corgan, Gracias”, ao final, ele mostra suas habilidades na guitarra, com um belo solo, curto mas bem rápido.
Com um som um pouco mais swingado e, efeitos tirados com o plug da guitarra, eles tocam outro clássico, Ava Adore para o delírio dos presentes e dos milhões que estão assistindo via upstream pelo site do Terra (assim como o cara que vos escreve, uma vez que me faltou verba para ir até o show..). Nessa música a bela baixista mostra seu charme, embora não seja muito virtuosa, possui uma bela presença de palco.
Nesse momento Billy agradece ao público e, com uma guitarra semi-acustica e começa A song fot a son, uma canção com ritmo lento, envolvente mas ao mesmo tempo depressiva, mas com solos rápidos e bem elaborados.
Bullets with Buterfly Wings é a próxima música, que levanta novamente as pessoas, pois é para muitos uma das musicas indispensaveis a todos que gostam de Pumpkins, uma musica de momentos lentos, mais agitdos, e contando também com alguns berros de Billy e já imenda com Tarantula, do albúm Zeitgeist de 2007, com um finalzinho “a lá Kiss”.
Outra vez as atenções se voltam a baixista, para um “mini-solo” entre ela e Corgan para então tocarem United States, muitas vezes berrada por Corgan. Alguns efeitos estilo Tom Morelo, com direito a guitarra sendo tocada “com a boca” dão inicio a um som que pode facilmente ser confundido com Rage Agaist the Machine e, ao final, um solo animal do baterista, mostrando muito feeling em sua bateria dourada, tocando a incrive Mody Dick do Led Zeppelin, então, a banda toda se reuni para finalizarem essa bela musica. Corgan, em extase, utiliza-se das beiradas dos amplis para esfregas a guitarra e fazer um som bem sujo.
Nesse momento, Corgan pergunta onde esta, e, então, apresenta a banda, e, avisa que irão tocar alguns sons “tristes”, porém, pede para que as pessoas não chorem,tocando então Spangled.
Em seguida, outra canção mais depre, Drown, e, em um momento que mostram as pessoas, podemos ver que existem muitas pessoas de idade entre 30, 40 anos, que eram praticamente adolescentes quando Smashing Pumpkins se sagrou entre as grandes bandas do mundo.
Shame é tocada,, mais uma canção depressiva falando de amor, da fase mais melancólica da banda, com o refrão “Your love is good all the time!”.
Para dar um Up, mais uma música classica deles, Cherub Rock, com mais solos absurdos de Corgan é tocada e, então, para o delírio dos fãs, a aclama Zero é tocada.
Próxima musica é a “romantica” Stand Inside Yout Love, que mais uma vez mostra que o baterista, de apenas 20 anos, não esta na banda por acaso.
Então, de doces arpejos, sai os primeiros acordes do maior sucesso do Smashing Pumpkins, Tonight Tonight, fazendo com que muitos que viveram nos anos 90 cheguem as lagrimas,e que, aposto que traz muitas lembranças para muitos que irão ler essa resenha.
Nesse momento Billy agradece “Sao Paolo” e eles saem do palco, ovacionados pelo publico, voltando instantes depois para um bis, com a “pesada” Heavy Metal Machine encerrando, as 03:15 uma apresentação fantastica, embora não tenham tocado 1979, mas, uma apresentação perfeita de Smashing Pumpkins.
video da apresentação da banda no Planeta Terra