terça-feira, 14 de maio de 2013

Metallica: Exodus poderia compor um big five


O “Mk Ondergrond” conduziu uma entrevista com o frontman do METALLICA, James Hetfield, mês passado, enquanto a banda retornava para a África do Sul para três shows.

MK Ondergrond: Então, uma pergunta curiosa para quebrar o gelo: Sem o glam, ou ao menos sem o ódio ao glam, o thrash metal existiria?

James Hetfield: “Provavelmente não. Havia um ódio gigantesco, que deu combustível a muito do thrash. Talvez alguns saibam das histórias – como o METALLICA cresceu em Los Angeles, bem no coração do Glam, bem no pico do glam e seus MÖTLEY CRÜEs, seus RATTs, seus POISONs. Todas essas coisas viviam em Los Angeles, e nós éramos odiados, mas eles ainda mais. Nós fomos jogados para fora de alguns clubes porque achávamos que éramos uma banda de punk rock.”

MK Ondergrond: Muitos dos gêneros de metal vieram e sumiram desde o glam. Por que você acha que o thrash perseverou e continua lotando estádios ao redor do mundo?

James Hetfield: “Bem, ele está lotando estádios ou estourando na sala das pessoas. Ele entrega um sentimento, uma conexão com as pessoas que precisam. É este sentimento underground, a ovelha negra da música. É a coisa que atrai o estranho, Nós somos abençoados de tocar por mais ou menos 30 anos, 32 anos, e ainda conectar com as pessoas que não se encaixam.”

MK Ondergrond: Vocês recentemente celebraram 30 anos como o METALLICA, vocês inclusive convidaram os ex-membros Ron [McGovney], Jason [Newsted] e Dave [Mustaine] para tocar com vocês. Neste ápice de carreira, que marcos ainda sobram para o METALLICA alcançar?

James Hetfield: "40 anos. E com sorte não tenhamos que convidar outro ex-membro nesta data. Estas quatro noites foram mágicas. Eu diria, você sabe, que toda a coisa do Rock And Roll Hall Of Fame foi bem importante, mas isto foi muito mais legal. Esta é nossa história, nossos fãs. Havia bandeiras de 42 países diferentes, e tocar com os ex-membros e com pessoas que nos inspiraram... Foi uma grande noite.”

MK Ondergrond: Então, falando de Jason, nós lemos na Internet que um de seus maiores arrependimentos era não estar mais no METALLICA e tocar em lugares como a África do Sul. E Rob [Trujillo, atual baixista] também falou que um dos benefícios do grupo era tocar em lugares como este. É muito importante para vocês tocarem em lugares fora do caminho convencional?

James Hetfield: “Nós somos abençoados de poder viajar para lugares assim. Quero dizer, metade do mundo não consegue vir, ou ainda mais. Bandas lá fora que ainda estão presas em suas cenas locais, você sabe. Nós temos que ver o mundo e esta é uma grande parte do mundo. Ainda há lugares para ir. Não sei aonde, mas acho que na China, e você sabe, alguns outros poucos – o Iran seria legal.”

MK Ondergrond: Esta é a pergunta mais séria desta entrevista. Você cresceria o seu mullet dos anos 1980 pela caridade?

James Hetfield: “Absolutamente... se ele crescesse.”

MK Ondergrond: E quanto a Lars [Ulrich, baterista]?

James Hetfield: “Com certeza. Ele iria adorar.”

MK Ondergrond: Um dos maiores argumentos que eu venho combatendo recentemente é se os shows do “Big Four”, que vocês fazem [com o MEGADETH, SLAYER, ANTHRAX], fossem chamados de “Big Five”. Há ao menos uma discussão sobre fazer com cinco bandas? Quem você acha que seria a quinta?

James Hetfield: “O ‘Big Four’ foi um nome cunhado por nós. Ele está na imprensa há muito tempo. Há um grande número de bandas de metal respeitadas por aí. Eu diria, pessoalmente, que gostaria que o EXODUS fosse a número cinco.”

MK Ondergrond: Então em minha terrível opinião jornalística sobre álbuns recentes, o “St Anger” parece uma banda em autodestruição, enquanto o “Death Magnectic” parece uma ressurreição do METALLICA. Qual será o combustível para o álbum número 10?

James Hetfield: “Você quer dizer que temos que nos separar de novo para fazer um novo álbum? O combustível vai vir de onde sempre vem: a vontade de fazer melhor, pra fazer melhor do que você jamais viu. Ainda buscando pelo riff perfeito, o melhor som da guitarra, a letra perfeita, todas essas coisas. É uma jornada sem fim, você nunca está satisfeito.”

MK Ondergrond: Vamos ser honestos: se Rob fosse um cara menor, ele teria sido mais atazanado quando entrou no METALLICA?

James Hetfield: “Essa é uma boa pergunta. Ele parece ser bem forte e me lembra muito o Tarzan, então acho que ninguém mexe com ele.”

Fonte: Whiplash